Universidade e Faculdade

tudo o que você precisa saber sobre universidades e faculdades

A Lógica do Cisne Negro

Olá pessoal,

pra todo mundo que está prestando administração, economia ou qualquer curso relacionado a essas duas matérias, vi um livro bem interessante….

O nome do livro é “A lógica do Cisne Negro”, escrito por Nassim Nicholas Taleb e ele se encontra na lista dos livros mais vendidos, de acordo com o New York Times.

No livro, é proposto o mapeamento e a gestão do desconhecido, do pouco provável, do extremo. Para o autor, a fragilidade do conhecimento e a limitação do aprendizado baseado na observação e na experiência levam o ser humano a se defrontar com situações totalmente inesperadas. O leitor aprenderá a tirar proveito de Cisnes Negros e ter outra visão do mundo.

O que é Cisne Negro? É um evento imprevisível, impactante e que é essencial para quase tudo e todos no mundo.

Segue a capa do livro pra quem se interessou:

E tem também o site do livro, que lá você pode conferir mais sobre o livro, sobre o autor ou ler um trecho do livro.

http://www.record.com.br/logicadocisnenegro/

Espero que gostem da dica!!!

Bjão!

Anúncios

julho 30, 2008 Posted by | livros | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Universidades públicas devem ter vestibulares simultâneos no país, diz deputado.

Todas as universidades públicas do país deverão realizar seus vestibulares simultaneamente. É o que estabelece o projeto de lei 1744/07, apresentado pelo deputado Valdir Colatto (PMDB/SC). Ele considera injusta a concorrência dos processos seletivos nessas instituições para os candidatos carentes, que não têm oportunidade de se inscrever em mais de um exame fora de casa.


Rejeitado por unanimidade pela Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (2), o projeto deve ir a Plenário. “A Comissão tem muitos interesses que não formam o pensamento da Câmara. Estou lutando para manter o documento”, diz. Para que chegue ao Plenário, é preciso do voto de 10% dos deputados (52 votos). “Eu tenho esse apoio”, garante.


Para o deputado, que se formou na UFPel (Universidade Federal de Pelotas) e na mesma época também se inscreveu na UFPR (Universidade Federal do Paraná), o vestibular é uma indústria de fazer dinheiro. “Não temos uma distribuição planejada de instituições federais. Enquanto um Estado tem oito faculdades, outros têm apenas uma. É uma questão de justiça com aqueles que não podem sair de jatinho pelo país fazendo vestibular”.


“Contramão”

No Estado de São Paulo, as universidades públicas se unem todo ano para elaborar um calendário em conjunto e evitar que as datas dos vestibulares coincidam. “Fazemos justamente o contrário do projeto para que os candidatos tenham mais opções”, diz Leandro Tessler, coordenador executivo da Comvest (Comissão Permanente para os Vestibulares) da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas).


Para ele, adotar uma data única não é interessante porque limita o estudante a escolher uma carreira em uma universidade. “Se concordássemos, já estaríamos fazendo isso”, diz. Tessler arrisca uma idéia: “talvez fosse melhor elaborar uma prova única que valesse para várias instituições. Se o candidato não fosse classificado em uma faculdade, poderia usar o exame em outra”.


José Coelho Sobrinho, da coordenação do vestibular da Fuvest, que seleciona alunos para a USP (Universidade de São Paulo), diz que os candidatos demonstram interesse em fazer mais de uma prova e ter mais oportunidade. “Se o estudante só fizer uma universidade e não passar, ele terá que esperar mais um ano para tentar ingressar no ensino superior”.

julho 4, 2008 Posted by | universidades | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 1 Comentário

ProUni tem mais de 46 mil bolsas ociosas.

Uma das principais vitrines da política educacional do governo Lula, o ProUni (Programa Universidade para Todos) amarga uma sobra de 46.623 bolsas oferecidas, o correspondente a 39,2% do total.

O programa permite que alunos carentes estudem em instituições de ensino superior privadas com bolsa integral ou parcial (de 25% ou 50%).

Em troca, as universidades ganham isenção de tributos. Se elas tiverem dívidas com a União, podem parcelá-las em até dez anos a juros da taxa Selic (12,75% ao ano), menores do que as de um banco privado.

No último processo seletivo do programa, para o segundo semestre de 2008, foram oferecidas 118.871 bolsas, mas apenas 72.248 candidatos foram pré-selecionados. Eles tiraram a nota mínima do Enem para pleitear uma bolsa (45 pontos), mas, para obter a vaga, terão de comprovar renda familiar per capita menor do que três salários mínimos. Ou seja, as vagas ociosas podem aumentar.

Quase todas as bolsas não utilizadas são parciais (94%). Boa parte (45%) é de ensino à distância –“modalidade que requer recursos tecnológicos que, muitas vezes, os candidatos a bolsa não possuem, como computador, acesso à internet em banda larga e possibilidade de deslocamentos periódicos aos pólos [presenciais]”, afirma o Ministério da Educação, ao justificar a sobra.

A maior parte das bolsas, integrais ou parciais, não-preenchidas (88%) são aquelas que as instituições oferecem a mais do que o número exigido pela lei – uma bolsa para cada 10,7 estudantes pagantes. Essas não têm impacto sobre o cálculo da isenção de tributos.

Se forem considerados os cursos, a sobra de bolsas se concentra em administração (12%), ciências contábeis (9%), pedagogia (9%), turismo (7%) e economia (6%). Essas áreas tiveram também o maior número de bolsas oferecidas.

O percentual de bolsas não-preenchidas neste ano é similar ao verificado em 2007. A proporção de bolsas ociosas foi de 33% no primeiro semestre do ano passado –em maio de 2007, os números parciais divulgados pela Folha já indicavam uma sobra de 10,6% das vagas– e de 40% no segundo. Em 2008, foi de 29% no primeiro semestre e, no segundo, no mínimo de 39%.

Medidas e críticas

Os novos números mostram o insucesso de medidas anunciadas em 2007 para estimular e facilitar as adesões ao programa. Entre elas, o aumento do prazo de pagamento, de uma vez e meia o tempo de duração do curso para o dobro de tempo – antes, um curso de quatro anos era pago em seis anos e agora pode ser quitado em oito.

Especialistas apontam como razão para a sobra de vagas a dificuldade de encontrar alunos que atendam aos dois pré-requisitos – a nota mínima no Enem e o limite de renda.

Roberto Leher, do departamento de fundamentos da educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro e crítico do ProUni, diz que não houve, em paralelo com o programa, uma política para melhorar o ensino médio e reduzir a evasão dos estudantes carentes.

“A seletividade social do ensino médio não se alterou. Nos primeiros anos, o ProUni atendeu uma demanda reprimida. Agora, ela em parte foi coberta, e o numero de alunos que conclui o ensino médio dentro do nível de renda é muito baixo”, diz. “Foi alterada a porta, mas não o caminho até a porta.”

Ryon Braga, da consultoria Hoper, aponta a renda como o maior obstáculo. Segundo ele, além da bolsa, os candidatos precisam comprar livros e pagar transporte, por exemplo.

O MEC criou uma bolsa-permanência de R$ 300 mensais, mas, no primeiro semestre de 2007, apenas 4% dos selecionados foram considerados aptos a recebê-la – o critério é ter bolsa integral e estar matriculado em curso com ao menos seis horas de aula diárias.

NÃO DEIXE DE VER:

USP aumenta número de vagas para cursos de graduação

junho 30, 2008 Posted by | universidades | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 7 Comentários

USP aumenta número de vagas para cursos de graduação

As 265 novas vagas se dão pela criação dos novos cursos ou pela ampliação de vagas em cursos já existentes.

A USP oferecerá 265 novas vagas em cursos de graduação no Vestibular 2009, passando de 10.302 em 2008 para 10.557 vagas. As novas vagas se dão pela criação dos novos cursos ou pela ampliação de vagas em cursos já existentes.

São eles os novos cursos de Engenharia de Biossistemas (com 60 vagas, em período integral, na FZEA), Educação Física (com 60 vagas, em período integral, na Escola de Educação Física de Ribeirão Preto) e Bacharelado em Estatística (com 40 vagas, em período noturno, no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação, em São Carlos).

Além disso, foi aprovada na terça-feira, 17, a criação de mais dois novos cursos: Medicina Veterinária, que será ministrado na Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA), em Pirassununga, e o Bacharelado em Astronomia, do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG), em São Paulo. O curso de Medicina Veterinária oferecerá 60 vagas, em período integral. Já o Bacharelado em Astronomia, também em período integral, oferecerá 15 vagas.

Os cursos que tiveram aumento no número de vagas foram: Engenharia de Produção Mecânica da Escola de Engenharia de São Carlos, passando de 30 para 50 vagas, em período integral, e Bacharelado em Estatística do Instituto de Matemática e Estatística, passando de 30 para 40 vagas, em período diurno.

Em contrapartida, o curso de Meteorologia, do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas, teve o número de vagas diminuído em 10, passando de 40 para 30 vagas, do período integral para o período diurno.

Veja também:

Curso teórico pode não agradar à família, mas dá boa formação.

junho 27, 2008 Posted by | vestibular | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 1 Comentário

Curso teórico pode não agradar à família, mas dá boa formação

Quando Cauê Alves, 31, disse que iria prestar vestibular para filosofia, em 1996, a sua família ficou preocupada. “Lá em casa, minha mãe falava que eu ia ser um duro”, lembra, rindo. “Levamos um susto com a notícia, mas, logo no primeiro ano, percebemos que a coisa era séria, pois ele passava os finais de semana estudando”, diz a mãe de Cauê, Margarida Alves, 62, professora aposentada.

Assim como Alves, muitos vestibulandos encontram resistência da família quando escolhem carreiras cujo curso é mais teórico, como filosofia, ciências sociais ou mesmo no campo das ciências exatas, como matemática ou física.

No entanto, casos de sucesso mostram que essa formação pluralista pode ser valiosa para a carreira. A maioria segue na área acadêmica, como professor ou pesquisador, mas há quem encontre oportunidade em outras searas.

Alves, por exemplo, é hoje curador de arte do MAM (Museu de Arte Moderna de São Paulo). Em seu trabalho, ele aproveita os conhecimentos de estética, uma das áreas da filosofia, em que se especializou com um mestrado e um doutorado. Ele diz que hoje a sua família está mais tranqüila e dá um conselho a quem vai prestar vestibular: “Não adianta fazer medicina para pendurar diploma na parede ou entregar o diploma para os pais”.

Anderson Pássaro, 26, sonhava em fazer medicina. No entanto, depois de não passar no primeiro ano em que prestou vestibular, decidiu colocar a física como segunda opção na prova da PUC-SP, que oferece uma ênfase em física médica em seu curso. Aprendeu sobre a atuação do físico em hospitais e hoje trabalha com treinamento na Varian, empresa multinacional que fabrica aparelhos de radioterapia.

Ele conta que foi “picado pelo mosquito da física” logo no início do curso. “Muita gente desistiu quando viu a física pura, mas eu gostei, sempre fui bom em exatas”, contou Pássaro ao Fovest, entre uma viagem e outra a trabalho.

Para o chefe do departamento de filosofia do Mackenzie, Marcelo Martins Bueno, os egressos de cursos com uma forte carga de teoria têm muita chance de colocação no mercado de trabalho.

Ele diz que houve uma evolução nas carreiras da área de humanas nos últimos vinte anos. Para Bueno, a democratização do conhecimento promoveu uma mudança na mentalidade da sociedade e do mercado em relação a esses profissionais. “Há ainda um preconceito pela sociedade e pelo mercado. Mas depois as pessoas acabam percebendo que esse profissional tem um diferencial, uma outra visão de mundo.”

Entre as empresas que valorizam formações variadas, está a Munduscarbo, uma consultoria ambiental especializada em serviços relacionados à mudança do clima. “Temos desde sociólogos e cientistas políticos, como eu, até economistas, engenheiros e biólogos”, conta o gerente de projetos da empresa, Henrique de Almeida Pereira.

Fonte: Folha online

Veja mais em:

Estudando pela internet

maio 27, 2008 Posted by | educação | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Estudando pela internet!

Fala galeraaaa

Hoje vou postar de novo sobre o Educação 24 horas, já que tenho recebido muitos e-mails elogiando o site e o post. Para quem não viu, essa é uma boa dica de conhecer. Eu achei pela internet há um tempo atrás e gostei bastante.

O Educação 24 horas é um site totalmente voltado a criança e ao adolescente. Você consegue encontrar um conteúdo legal tanto para a criança, com jogos educativos e historinhas infantis, onde a criança pode se divertir, aprender e se desenvolver ao mesmo tempo, quanto para os jovens que estão no ensino fundamental e médio, ou até mesmo prestando vestibular, com professores online 24 horas por dia, 7 dias por semana, respondendo a todas as dúvidas que possa ter, inclusive de inglês e espanhol, matérias de atualidades, dicas para o vestibular e material disponível para estudo. É ótimo para fazer trabalhos escolares e pesquisas.

Abaixo segue uma imagem do site com o link:

www.educacao24horas.com.br

Pra quem se interessar, ta ai a dica.

Aproveitem!

Bom feriado para todos!

maio 21, 2008 Posted by | ensino superior | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 4 Comentários

Resumo de livros para o vestibular

Para quem quer uma ajuda com a leitura dos livros, estou postando resumos dos livros exigidos pela FUVEST.

A Hora da Estrela – Clarice Lispector

Rodrigo S.M., o narrador, constitui um dos personagens centrais de “A Hora da Estrela”, de Clarice Lispector. Ao mesmo tempo em que cria e narra a vida de Macabéa, identifica-se com ela, mesmo quando a agride. Dessa forma, você já deve ter percebido que o texto é metalingüístico: um autor – narrador que fala de sua própria obra e busca nela e com ela conhecer-se e reconhecer-se.

Macabéa é alagoana, virgem, ignorante, tem dezenove anos e diz-se “datilógrafa”. Veio para o Rio de Janeiro com uma tia que cuidara dela desde os dois anos de idade. Quando a tia morre, Macabéa muda-se para um quarto que divide com quatro moças que trabalhavam nas Lojas Americanas: Maria da Penha, Maria Aparecida, Maria José e Maria.

Raimundo, o patrão de Macabéa, avisa-lhe que será despedida (Macabéa errava demais na datilo­grafia, ficará apenas com Glória (a colega de Macabéa na firma e que se considerava sensual e bonita). Macabéa gostava de ouvir a Rádio Relógio porque os locutores falavam “palavras diferentes” embora ela desconhecesse os significados e não soubesse o que fazer com as informações.

Um dia em que chovia muito, Macabéa encontrou Olímpico de Jesus que se apresentou como Olímpico de Jesus Moreira Chaves, metalúrgico, paraibano. Os dois apresentam ruídos no processo de comunicação: ela por não saber e não ter o que dizer e ele por se sentir superior, principalmente em relação ao aspecto lingüístico, porém pouco sabia. Olímpico era ambicioso, era capaz de qualquer ato para ascender socialmente. Até que ele conhece Gória e resolve afastar-se de Macabéa.

Com o rompimento, Macabéa compra um batom vermelho, pinta os lábios no banheiro da firma em busca da identidade desejada: a atriz Marilyn Monroe. Glória zomba da colega, contudo resolve convidá-la para um lanche em sua casa no domingo. Em seguida, indica-lhe um médico.

O médico, que não gostava de trabalhar com pobres e para pobres, distrata Macabéa e ela, mesmo assim, agradece. Constata-se que Macabéa está com tuberculose.

Quando ela volta a falar com Glória, esta indica-lhe uma cartomante: Madama Carlota. A cartomante mente para Macabéa que sai de lá convencida de que será outra, de que será feliz e de que encontrará seu príncipe. Ao dar um passo para atravessar a rua, ela é atropelada por um carro Mercedes Benz ouro. Esta é a hora da estrela onde ela será “tão grande como um cavalo morto”: ferida de morte, a personagem vomita um pouco de sangue, mas queria ter vomitado “uma estrela de mil pontas”. O narrador termina refletindo sobre a morte não só de Macabéa como a dele, mas “por enquanto é tempo de morangos. Sim”.

maio 20, 2008 Posted by | vestibular | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

O Estresse e o Vestibular

Dica Anti-TPV (Tensão Pré-Vestibular)

Já que você está nessa, você está estressado. E tem que estar, porque o estresse é uma reação natural do seu organismo que ocorre quando você está diante de qualquer situação que represente ameaça ou exija mudança.

E mesmo que seja lá no fundinho a ameaça está aí: Você pensa que poderá ser reprovado ou não conseguir entrar na sua primeira opção. Obviamente a situação exige mudança: estudar mais, ir para uma universidade, encarar seus objetivos de vida e pensar como vai chegar lá…

É estresse que não dá pra por defeito.

Mas você pode:

1) permitir que ele aumente e impeça que você dê conta do recado de vestibulando, sofra um ano inteiro e corra o risco da reprovação ou

2) usar os benefícios do próprio estresse para ter mais pique, compreender e memorizar mais as matérias, e aumentar suas chances de aprovação.

Se você optou pela segunda alternativa, aqui vai uma dica:

Troque a quantidade exagerada pela qualidade. Em vez de entrar para o “Bloco dos Camelos” e estudar 24 horas, organize suas tarefas para que você possa estudar em blocos de 55′ (cinqüenta e cinco minutos) no máximo.

Passados os 55’, faça uma atividade de 15′ que permita com que você se desligue completamente do estudo e se ligue na atividade. Faça o que você mais gosta de fazer.

Veja também:

Ele está chegando.

maio 14, 2008 Posted by | vestibular | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Universidade privada não segue lei de professor exclusivo

Apenas 37 das 86 universidades privadas do país cumprem a exigência legal de ter um terço dos docentes trabalhando em regime integral, aponta o Censo da Educação Superior 2006 (mais recente).

O prazo para adequação à Lei de Diretrizes e Bases da Educação se esgotou há quatro anos, mas nenhuma instituição foi punida pelo MEC. De acordo com o MEC, as universidades ainda serão reavaliadas, e as que não cumprirem a norma podem perder o direito de ampliar e abrir cursos sem prévia autorização.

O objetivo de ter professores em tempo integral –custa à instituição mais caro do que um pago por hora– visa incentivar a pesquisa e oferecer melhores condições de ensino (com horário remunerado para preparação de aulas e correção de provas, por exemplo). Nesse regime, a carga horária é de 40 horas semanais, mas somente metade em sala de aula.

maio 12, 2008 Posted by | universidades | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Até engenharia já é ensinada à distância

Inicialmente restrita aos cursos de formação de professores e administração, a educação à distância começa a ser oferecida no Brasil em áreas em que sua aplicação não é consensual, como engenharia, enfermagem, ciências aeronáuticas e até disciplinas de medicina.

A Universidade de Uberaba (MG), por exemplo, oferece graduação à distância para as engenharias civil, ambiental, de computação, elétrica e de produção, além de um curso de ciências aeronáuticas.

Em Santa Catarina, o centro universitário Leonardo da Vinci tem curso de engenharia de produção à distância. A PUC-RS já teve um de engenharia química e a Universidade Federal de São Carlos começou no ano passado sua engenharia ambiental nesse formato.

No caso dos cursos de enfermagem, ao menos duas instituições oferecem ele à distância: Uninove, de São Paulo, e Uniderp, de Mato Grosso do Sul. Licenciatura em educação física pode ser feita na Universidade Federal do Amazonas e na Universidade Fumec, de Minas Gerais.

Na Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), os alunos de medicina podem fazer parte do curso de graduação na modalidade semipresencial. Parte do conteúdo da disciplina “Técnica Operatória e Cirúrgica Experimental”, cursada pelos alunos do terceiro ano, é oferecida à distância.

Alerta

A maioria dos cursos realizados à distância ainda é dado nas áreas de educação e administração (73% deles estavam nesses dois grupos).

Sua expansão para áreas menos usuais, no entanto, põe em alerta algumas entidades.

No ano passado, o Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia, em seu 6º Congresso Nacional, aprovou uma resolução de “não apoiar a graduação à distância para formação em qualquer nível”.

Posição semelhante tem o Cofen (Conselho Federal de Enfermagem). “Os cursos da área de saúde exigem formação prática muito grande e não há como oferecê-los à distância. Nos preocupa muito a possibilidade de pessoas que serão formadas para cuidar de gente terem pouco contato com pacientes em sua formação. Não se aprende enfermagem cuidando de bonecos”, diz Manoel Neri, presidente do órgão.

Especialistas em educação à distância defendem a modalidade. Para Vani Kenski, da USP, mesmo nos cursos que exigem mais conhecimento técnico, disciplinas podem ser planejadas para que haja uma parte em ambiente virtual.

Fredric Litto, da Associação Brasileira de Educação à Distância, conta que nos EUA as universidades oferecem graduação em cursos técnicos à distância há bastante tempo. “O curso é mais organizado.”

Cobaias

Valdício dos Passos, 49, e Jonathan De Marco, 24, são colegas no curso de engenharia ambiental à distância da UFSCar com experiências bem distintas. Passos já é formado em engenharia química e não precisou fazer as aulas de cálculo, temor de tantos alunos. De Marco faz um curso superior pela primeira vez.

“O curso exige muito mais disciplina, mas estou satisfeito. Só não sei como estão fazendo os alunos que estão estudando cálculo”, diz Passos.

De Marco responde: “Os coordenadores não estão pegando pesado logo de início. Num curso tradicional, você tem ao lado um amigo que te dá uma força, mas estamos montando um grupo que se encontra no fim de semana. Isso ajuda bastante, além do apoio dos professores”.

Post anterior:

Medicina da UFBA aceita renúncia de coordenador.

maio 9, 2008 Posted by | universidades | , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 3 Comentários